domingo, 30 de junho de 2013

Da qualidade de seus pensamentos....






saio de junho
ao som de sinos
num ensaio
para o des(a)tino




                                Ao redor do mundo grandes universidades usam o sino para outras finalidades[além das igrejas]. A University Wisconsin-Madison, usou seus 56 sinos com mais de cem anos cada para tocar nada mais nada menos do que o tema de abertura da série “Game of Thrones“! Lyle Anderson, que controla estes sinos há mais de 30 anos, deu um verdadeiro show para que passava pelo campus naquele dia .
O vídeo nos mostra. Foi lindo.
                                   

Game of Thrones official....ali

sábado, 29 de junho de 2013

E respira indômita na sua mais calma essência



outro dia revi  fotos da infância . abri a caixa com cuidado. estava com um vestido com estampas de barquinho. havia florzinhas em ponto-cruz, um gato à espreita, um pardal na goiabeira, um sonho que voou sem que eu quisesse agarrá-lo. como são livres os sonhos que voaram, aqueles aos quais demos asas. saber soltar um sonho, dar linha a ele como quem brinca com pipa, vê-lo ascendendo nas nuvens até o seu desaparecimento, é um ato de desprendimento mágico. os adultos tentam reter o sonho, segurá-los com as duas mãos. as crianças os soltam numa dimensão onde não chovem as águas presentes nem as estações do futuro. depois disso, se um dia o sonho voltar espontaneamente, como  melodias  e palavras que tocam quando menos se espera, é porque o sonho era nosso, sem registro ou papel passado, mas se apresenta como um hóspede que retorna à nossa porta .   e quando perguntamos “quem é?” ele diz: “o sonho, aquele que você soltou num voo livre e que ficou tão leve que o vento o trouxe de volta mas diferente” e aprendemos que o vento é o único veículo que move o desejo da gente tocar o intangível sem luta...



sexta-feira, 28 de junho de 2013

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Fuga para dentro


palavras
quando próximas, me puxa
quando distantes, me assusta
passa passando...
[uma busca constante]
sem graça por enquanto
deságua
[a melancolia é líquida
e possui intensidade de um riacho]
palavras,
é no indescritível que minha relação com elas se explica,
e tal constatação torna tudo ainda mais inexplicável,
 pois é através delas que tento explicar-me, e para mim
palavras,
disfarçam as poucas lágrimas
para uma represa de prantos







quarta-feira, 26 de junho de 2013

Na residência o moe-dor



havia flores que não eram rosas
arranjos que não são os da moda
recados na geladeira debaixo de imã na porta

e fui fechando o rosto sem sentir
e mesmo atenta sem me distrair
eu fui fechando o tempo sem chover
fui fechando os meus olhos pra esquecer

lágrimas que brotam mas não descem
voltam
aprendi com o tempo



não sei porque você se foi
quantas saudades eu senti
e de tristezas vou viver
e aquele adeus não pude dar......♫


(pelos 17 anos     sem minha mãe       Nina)

Manifest0




#VemPraRuaVocêTambém

terça-feira, 25 de junho de 2013

E a festa do dia que chegou


em vez de lã teço textos  e às vezes  desejo fugir do dia, encontrar uma zona de conforto.   quando a escrita fica muito ácida. ou muito estreita. atravessar paredes [um recurso a ser experimentado por quem gosta de mágica] eu gosto.   uma carícia de dedos que vêm do sonho e depois, rápidos como um animal alado, vazam as nuvens sem pistas. o onírico não deixa rotas, não tem rosa-dos-ventos, não desenha pontos cardeais, é apenas vontade, um desejo que se levanta como cortinas transparentes.  espio entre as dobras, há uma fresta de realidade onde todo o imaginário se eleva. montanhas recortadas onde falta horizonte, uma paisagem de filmes e livros. você acredita?  eu acredito nas novas possibilidades como a promessa que se desprende do incenso, uma crença em cores, palavras, mantras. uma pacificação que me invade quando você me responde.  um desassossego quando há lacunas entre as sentenças. há  um desejo insólito que cresce, sem que eu me prenda  é que na manhã em que o sonho se despede num delírio de absinto, abro os olhos e sinto...


segunda-feira, 24 de junho de 2013

Lugares incorpóreos


o amor
assim como o ar
adapta-se
exatamente ao tamanho
do espaço que ocupa















[intensidade na vida não deveria ter defeito]







domingo, 23 de junho de 2013

Gosta de sentir a felicidade máxima em tempo mínimo


se sente entediada . saiu para dar uma volta, querendo[de verdade] ir largando as bordas do que conhece e indo ao encontro do que ainda não viu.  sorri ao sentir o vento quando atravessa a rua e sua saia se levanta como se ela tivesse asas,  sente-se a bailarina do acaso,  dança na calçada,  num pequeno espaço, num quadrilátero, ouvindo a música do vento.   gosta de sentir o perfume das árvores, onde flores noturnas se penduram, como estrelas brancas.   outro dia, uma folha caiu no seu decote, andou assim maravilhada com aquele presente, a dádiva , o broche, andou como uma Eva vespertina, cruzou a cidade com a sua fantasia ...


sábado, 22 de junho de 2013

Só o que está morto não muda!



nós não somos o que gostaríamos de ser.
nós não somos o que ainda iremos ser.
mas, graças a Deus,
não somos mais quem nós éramos

Martin Luther King

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Encontrando ordem e paz




Pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz.
1 corintios,14-33

assim como nossa casa funciona melhor quando há algum tipo  de ordem ( conseguimos encontrar o que procuramos e as coisas fazem sentido, a mente e o coração funcionam melhor quando controlamos de modo sensato o que permitimos que nos influencie...

´ontem  em São Paulo, sem a bandeira da redução das tarifas do transporte público, o povo trocou o grito “vem pra rua contra o aumento” por “vem pra rua contra o governo”, mas mesmo quem estava lado a lado parecia não ter o discurso afinado.  enquanto muitos se referiam ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), outros tantos – que gritavam o mesmo “slogan” – pediam a saída do governador Geraldo Alckmin (PSDB).   alheios a todas as pautas, muitos pareciam estar em uma grande festa.  Munidos de bandeiras do Brasil e cartazes, jovens se deitavam nas faixas de pedestre da avenida Paulista para posar para fotos, imediatamente compartilhadas nas redes sociais.´  (fonte: Terra)


´estamos vivendo em um momento em que as forças da luz estão se expandindo e os corações daqueles que respondem, estão batendo muito forte, com o desejo pela liberdade, pelo respeito, pela dignidade e pelos direitos de cada indivíduo de moldar os seus próprios destinos. no entanto, por causa das forças de oposição que estão também presentes nesta situação, devemos estar conscientes de que nem tudo pode ser o que parece, e que onde a violência está ocorrendo e a raiva está aumentando, que outra coisa, que não a motivação para a paz ou a igualdade, pode estar envolvida ´  (Mensagem de Luz  aqui )



quinta-feira, 20 de junho de 2013

o odor é a linguagem do amor





(...) as metáforas são químicas.

No poema lírico da Biblia, o Cântico de Salomão,
o odor é a linguagem do amor:

« O meu amado é para mim uma bolsa de mirra sobre meus seios; o meu amado é para mim como um cacho florido de hene dos vinhedos de Engadi.»


As flores de hena, tília e castanheiros cheiram a sêmen. A mirra tem um cheiro comparável ao dos óleos secretados por glândulas do coro cabeludo humano.

Queremos cheirar como uma rosa.
Queremos cheirar como uma flor de hena.

in "Anatomia de uma rosa" de Sharman Apt Russell









Tenho saudade de tudo que ainda nao vi


quase sempre se  pode alcançar a paz na agitação das ideias [não naturalmente a agitação das guerras e das nefastas ambições e disputas]. quem pensa e nos leva a pensar forma a legião dos indispensáveis no laboratório terreno em que vivemos. só navegar por águas serenas tem o atributo de ser confortável mas nos subtrai a oportunidade da excitação e do experimento. então, abra o livro, conte pra mim a história bordada a ouro do que ainda não aconteceu. um futuro de nuvens  plúmbeas e chuvas de granizo, na hora em que esticamos as mãos para recolher pedrinhas e derretê-las sob a língua fazendo profecias, falando de dias melhores, de um sol redondo emoldurando as coisas até estilhar-se na última luz implacável marcando o tempo. o tempo que parte como um trem de passageiros, carregando sonhos e toda sua delicadeza. benditos os que perturbam pela sedução do que dizem e fazem.


quarta-feira, 19 de junho de 2013

0 que arde é quente







novas paisagens
querendo de dentro saltar
através de novas linhas.
resquícios... sinais de resistência.
[evoca novas asas ]
sente-se livre como as ondas,
espalhou-se por entre as areias soltas.
de um deserto imaginário espreitou a manhã subindo
enquanto esperava o sol doce e demente,
mais arde é o coração pulsante!






terça-feira, 18 de junho de 2013

Verás que um filho teu não foge a luta..

                                  


fica nítido  a cada momento que não queremos ficar apenas nas idealizações, vivendo no mundo dos sonhos, sem ver a materialização de algo significativo em nossa vida . ando assim, junto com nossos jovens,  querendo preencher folhas com palavras desenhadas a enfeitar nossas caras  cansadas pelas ruas. eu vejo as manifestações pipocando mundo afora por um País melhor: eu vejo a mim mesma lá dentro, me sinto despojada do que poderia impedir nosso crescimento, preparando-nos para produzir bons frutos. mesmo sabendo que a esperança nem sempre é a última que morre, pois quando a esperança acaba, você ainda existe, existe sabendo que vai chorar, derramar suor, perder pessoas e amigos ainda no futuro. mesmo assim eu preciso  confessar: estou de queixo completamente caído! sonhei com esse dia sem sequer cogitar que ele podia acontecer de verdade...




Foto: Espero que esse tipo de imagem apareça em algum dos livros de história de seus filhos e netos. No capítulo ''Revolução do Brasil 2013''
tudo isso pra pensar bem, antes de tingir com verde a página de uma vida nova...

...

de preferência, sem rasura nenhuma.

nada de corretivo, qualquer coisa arrancamos página


17 de junho - Revolução do Brasil 2013'
foto: cobertura do Congresso Nacional




Manifestação no metro em São Paulo




 Que bom ver isso sem bandeira de partido no meio, isso é legitimo!!!
Brasil ordem EM progresso!!! Emociona e dá um Orgulho Gigante na gente!

Em parte (in)certa!






Foi um dia, e outro dia, e outro ainda.
Só isso: o céu azul, a sombra lisa,
o livro aberto.
E algumas palavras. Poucas,
ditas como por acaso.
.
Eram contudo palavras de amor.
Não propriamente ditas,
antes adivinhadas. Ou só pressentidas.
Como folhas verdes de passagem.
Um verde, digamos, brilhante,
de laranjeiras.
.
Foi como se de repente chovesse:
as folhas, quero dizer, as palavras
brilharam. Não que fossem ditas,
mas eram de amor, embora só adivinhadas.
Por isso brilhavam. Como folhas
molhadas.
.
.
Eugénio de Andrade





[há momentos,  em que sinto a necessidade de fugir para outros momentos]







segunda-feira, 17 de junho de 2013

E aqueles outros tempos correm em outro lugar




os olhos refletiam solidão e  para não falar somente de coisas tristes, ela folheava os antigos álbuns de fotografias.  gostava de virar as páginas dos seus pensamentos conforme observava as imagens do passado.  erguia os olhos, de vez em quando, e via através da janela que ainda restavam pequenas partículas de água. não havia nada além das gotas. deslizavam desinibidas pelo seu pescoço e ombro, desciam pelo braço, desaguavam em seus dedos. sabia que não há quase nada  que se possa fazer para mudar o estado das coisas.  o passado era isto: uma mancha difusa irrigada pela saudade. amor é intimidade que não se obtém por resumo, não é dado à frase curta , quer vagar para divagar....















domingo, 16 de junho de 2013

lá vitta é dolce, né Fellini?!...





se alguém não te complementa
inventa
uma manhã de sol
fruta fresca
*chá de gengibre
pra despertar a alma
com calma
porque o dia apenas começa
e amor não combina com
pressa















*Ingredientes
1 pedaço de +- 5 cm de raiz gengibre
¼ de limão
½ litro de água
1 pau de canela
4 a 5 cravos-da-índia
1 pitada de noz moscada ou cardamomo

Modo de Preparo
Faça um suco de gengibre e limão. 
Coloque o suco em uma panela (de inox) e acrescente a água, 
a canela e o cravo. Ferva em fogo brando. 
Acrescente a noz moscada ou cardamomo.

Benefícios: melhora a circulação sanguínea, previne coágulos, tem ação anti inflamatória, antibiótica, antioxidante, estimulante e antidepressiva. "Turbina" o ânimo e a disposição geral. É indicado também para tratar enjoos, enxaqueca, gripes, gastrite e úlceras. É auxiliar no emagrecimento pela ação termogênica. Faz bem à saúde e à beleza. Faça bom proveito!

sábado, 15 de junho de 2013

Folhas em remoinho







um dia, ao ar livre ou uma reunião em casa vai lhe dar a paz de espírito, assim estava escrito no meu horóscopo. mas de verdade?  hoje estou indócil. vou-me embora pra Pasárgada, como no poema de Manuel Bandeira, inesquecível peça de busca de um lugar chamado felicidade. nada de muito grave me leva a querer ir pra Pasárgada, apenas o desejo de um lugar idílico, com menos horários, menos compromissos, menos receio de dar saltos no escuro, como uma bailarina que se arrisca pela beleza. na verdade, todo mundo quer correr cada vez menos riscos, ainda que isto implique na busca de soluções menos criativas trilhas menos amorosas, a impossibilidade de encontrar verdades que não se encontram prontas.a liberdade não é um produto, é um estado de espírito que propõe desafios, sem apólices de seguros. até por isso me bateu uma vontade enorme de ir embora pra Pasárgada.   aquela "realidade" idílica tem muito mais poesia do que a vida fake que pintaram por aí. Pasárgada é um território mítico que não se fotografa. Pasárgada é muito mais fugaz e, por isso mesmo, eterna. vamos?




sexta-feira, 14 de junho de 2013

Ventania que levite dores

(Foto: Jamie Beck)
nevou num tempo em que o calor havia cessado. um sussurro ecoou nos quatro cantos e naquele instante veio um lapso de luz - poesia para dias de espanto  e paraísos que inspirem quimeras - no vazio daquele instante verdadeiro . vê. e quando não, imagina, o olhar sempre delata no alcance o tamanho de quem o possui .  e na palidez de uma manhã desnuda as horas deste longo outono,  carregadas de folhas, ventos e rostos curvados ao chão cuidam de acolher a paixão.  ela não se queixa. sempre haverá amor a engravidar alvoradas...


quinta-feira, 13 de junho de 2013

Lépidos pensamentos...









a germin(ação) da alegria  muitas vezes depende de uma pausa para o café. lá fora pássaros levam nas asas o movimento migratório entre as estações. há tempo de mostrar e tempo de guardar. v iver é uma arte de ´dentro para fora e de fora para dentro´.   movimentos cruzados, alimento que se põe na boca e se mastiga no tempo que vier.  
pode ser muito íntima a celebração do cotidiano....














quarta-feira, 12 de junho de 2013

É um brilho da minha janela


 encantos,
vêem como
 a solidez das nuvens do céu
 palavras,
eu preciso imaginá-las
para tentar entendê-las
ainda que o que me
instigue o corpo
seja breve
seja novo
será sempre
a lição sem fim
de redescobrir paraísos
perdidos
dentro de mim









Para o dia nascer feliz...



eU Te Am0

Africano    Ek is lief vir jou
Albanês  Te dua
Alemão  Ich liebe Dich
Árabe    Ohiboka  (mulher para homem)
Árabe    Ohiboke   (homem para mulher)


Armênio  Yes kez sirumen
Búlgaro  Obicham te
Cantonês   Ngo oi ney
Coreano    Dangsinul saranghee yo
Dinamarquês    Jeg elsker dig
Eslovaco   lubim ta
Espanhol  Te amo
Esperanto   Mi amas vin
Finlandês   Mina" rakastan sinua
Francês  Je t'aime
Grego    S'ayapo
Hebraico    Ani ohev otach (homem para mulher)
Hebraico    Ani ohevet otcha (mulher para homem)
Holandês    Ik hou van jou
Húngaro   Szeretlek te`ged
Inglês  I love you
Iogoslavo    Ja te volim
Iraniano  Mahn doostaht doh-rahm
Irlandês  Taim i' ngra leat
Islandês Eg elska thig
Italiano ti amo
Japonês Ai shiteiru
Javanês Kulo tresno
Latim Te amo
Libanês  Bahibak
Mandarin   Wo ai ni
Norueguês Eg elskar deg
Persa    Doo-set daaram
Português  (Portugal)   Amo-te
Português  (Brasil) Eu te amo
Russo    Ya tebya liubliu
Sueco    Jag a"lskar dig
Tcheco miluji te
Turco    Seni Seviyorum
Vietnamita Toi yeu em
Yiddish  Ich libe dich
Zulu Mena      Tanda Wena


Neste dia use a sua língua






Feliz dia dos n(amor)ados, então!

terça-feira, 11 de junho de 2013

Fazendo o som dos meus ouvidos



gostei quando  achei a frase do Vinícius de Moraes perdida na agenda :´ nada renasce antes que se acabe. e o sol que desponta tem de anoitecer´  pois sim, aqui meu amor, a noite ronrona baixinho e compõe uma geometria perfeita, oferecendo-me mãos cheias de possibilidades enquanto eu faço que acredito [e rebolo nos conjunto de sons que melhor convêm dos lençóis] entornada de escuridão. é, sou assim intensa e a emoção que me toca é aquela em que há troca. de mãos entrelaçadas, olhares que se encontram, beijos que despertam  desejos, me lambendo como chuva que vivifica os ciclos do tempo.  revivo assim, astuciosamente numa noite fria, os ritos do amor sagrado, do amor vivido, do amor emprestado, do amor sentido, do amor inventado como todas as nossas crenças. afinal, o que são as certezas senão um pacto que se firma ou que se quebra? o que são as certezas senão um fino papel onde dobramos os sonhos para que se tornem ou não realidade? não desisto de sonhar enquanto houver doçura em nossas dúvidas. autênticos e delicados, dependemos do alimento que colocamos na boca um do outro, como pequenos  pássaros cheios de esperanças no retorno das ilusões perdidas. os últimos sonhos sempre serão os mais intensos. e permanecem no tempo feito um relógio que bate como se dissesse:
´não desista. há vida, meu amor, há vida´





Se sente e multiplica





sou filha de Vênus. como não vivo sem amar o amor, a Deusa dos mosaicos ensinou-me a colar caquinhos. assim, trago no peito uma obra de arte ou, em outras palavras, um coração vermelho, maduro, cheio de lembranças, climas, paisagens, cortes, suturas, quinas, saudades e que permanece quase, quase inteiro...




















segunda-feira, 10 de junho de 2013

Quando a vida se encaixa no Amor.


perceba. eu  só quero afetividade e a sua antiga arquitetura. a paisagem que tranquiliza o espírito.  plenitude é um mistério de peles que se reconhecem sem questionamentos. o amor é muitas vezes o Nirvana da espera silenciosa. o gesto zen de busca natural entre as esperanças doces. debaixo da relva a vida cresce todos os dias, de forma imperceptível. os desejos não se desmancham no ar porque passou um vento rude. o desejo é um deus de mil faces...



De alguma forma o plano está sempre mudando









faça  de mim o que precisas, para seguir em frente.
vagarosamente.
não corra nas escadas e joga todo teu ímpeto nas estradas.
faça de mim o teu refúgio em dias frios.
urgentemente.
não olhe para o lado e ama todo o teu íntimo nos sonhos alados.
faça de mim o que desejas, cálida ou fremente.
disfarçadamente.
não diga sequer uma palavra, mas diz com os olhos e
em silêncio.
segue o  caminho, mas dê notícias, para que quando eu ouça a tua voz
eu possa, entre sonhos e destrezas,
entre espaços e sutilizas, sentir borboletas no estômago.
faz de mim o que pressentes.



domingo, 9 de junho de 2013

Eternizar o tempo




Venha, acomode-se, tome um café comigo. que tal compartilharmos hoje um pouco desse nosso imaginário quase legendado?    o que tem conto, também tem fábula.  o amor é o contexto ou fundo, que dá coesão as nossas histórias. pensemos então, o que o meu amor tem conseguido transmitir?  será que tenho feito dele o início de tudo ou o ponto final de uma linha que divide os sonhos da realidade?  seria bom alinhavar as duas coisas e vivê-las com intuição.  tudo tem sua própria paz, é preciso apenas encontrar.  não adianta vestir o sorriso de sol, para aquecer o que ficou gelado.  o amor é uma escolha, e quando cobrado emudece.  que possamos dormir deitados em um trevo de quatro folhas e acordar enxergando à nossa frente um mar de perenidades. quando os olhos amadurecem, eles enxergam a melhor forma de publicar o   amor em nós.                          -quando acreditamos, a possibilidade já existe.





sábado, 8 de junho de 2013

E o desencanto, encantamento...



[pensei pensei,

pensei pensei,

pensei pensei,

pensei pensei,

soprou o vento neste momento,

e eu esqueci o pensamento]







A alegria não está nas coisas, mas em nós



María Dolz, uma solitária editora de livros, admira à distância, todas as manhãs, aquele que lhe parece ser o “casal perfeito”: o empresário Miguel Desvern e sua bela esposa Luisa. Esse ritual cotidiano lhe permite acreditar na existência do amor e enfrentar seu dia de trabalho. 
Os Enamoramentos nos revela muito mais do que a verdade sobre um trágico evento. É, acima de tudo, uma investigação metafísica sobre a vida, a morte, o amor e a moralidade. E também um fascinante tratado sobre o estado de enamoramento, um estado positivo e redentor que parece justificar quase todas as coisas: ações nobres e desinteressadas, mas também as maiores crueldades.


Trecho:


“Pareciam ser dessas pessoas feitas uma para a outra; e embora se visse que eram casados, nunca surpreendi neles um gesto edulcorado nem forçado, tampouco estudado, como os de alguns casais que convivem há anos e fazem questão de exibir o quanto continuam enamorados, como um mérito que os revaloriza ou um adorno que os embeleza. Era, em vez disso, como se quisessem ser simpáticos um ao outro e se agradar antes de um possível namoro; ou como se tivessem tanto apreço e bem querer desde antes do casamento, ou de se juntarem, que em qualquer circunstância teriam se escolhido espontaneamente — não por dever conjugal, nem por comodidade, nem por hábito, nem mesmo por lealdade — como companheiro ou acompanhante, amigo, interlocutor ou cúmplice, na certeza de que, acontecesse o que acontecesse ou sobreviesse, ou o que houvesse que contar ou ouvir, sempre seria menos interessante ou divertido com um terceiro. Sem ela no caso dele, sem ele no caso dela. Havia camaradagem e, principalmente, convicção”.

Os enamoramentos
Javier Marías
Companhia das Letras


sexta-feira, 7 de junho de 2013

semiótica



que o mel é doce,
é coisa que eu me nego afirmar.

mas que parece doce,
isso eu afirmo plenamente.


Raul Seixas















(a  semiótica é um saber muito antigo,
que estuda os modos como o homem significa o que o rodeia)









Amanhece





o Tempo
em movim
ento aleatório
circula além do eixo
eu? deixo
não me queixo
que o voo escolha.
em dias de vento alvoroçado
voa o coração alçado
quanto mais alheio
mais distante
mais alado


















[ ...as entrelinhas neste   belo vídeo]

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Deixando uma comprida esperança










(..) e pelo coração  morremos e nascemos mil vezes, até que um dia aprendemos que a dor de sentir tudo seco e destruído é só uma pausa. vai ter vida de novo, é só esperar uma chuva.   a espera pela chuva é nosso luto por coisas que se foram.  é nosso período de introspecção.   não esquecendo que muitas vezes o melhor  caminho para abandonar o julgamento é optar pela gratidão.




















´quando a felicidade de alguém
 estiver em suas mãos
 não feche-a pois pode ser a primeira vez
 que esta pessoa pode ser feliz´

Vinicius de Moraes


quarta-feira, 5 de junho de 2013

0 tanto que temos para viver...



traz a vida nos braços, 
pousa o mundo no chão,
larga os medos na estrada,
 e desmonte cada peça
de que é feito o coração.
deixa lá fora o cansaço,
desarme a solidão,
 brindes sonhos ao relento
como quem junta os pedaços,
entre a loucura e a razão.
faz parte ser um pouco perdido
faz parte começar outra vez
faz parte ir atrás dos sentidos
e voar a sentir o mundo
na ponta dos pés
guarde a vida nos braços,
pouse os dias no chão,
brindas sonhos ao relento
como quem junta os pedaços
de que é feito o coração.
traga o tempo desfeito,
no que procuras em ti,
se olhares no fundo do peito
 saberás quem és,
mesmo até ao fim.

mafalda veiga. faz parte.









[o desejo que em viço
os abriu
ainda  não os beijou]






De perto ninguém é normal


ela fecha o livro emocionada. "...irmão das coisas fugidias..." assim diz a poetisa.  assim tem sentido. assim tem caminhado por uma estrada tantas vezes estreita demais. e, as coisas fugidias que parecem afastar-se poe efeito das perspectivas, como o tempo a se declinar rapidamente, embalam sua caminhada.      sempre vai querer mais do que o dito.  sempre vai procurar amor-perfeito por aí.   olhar o trem que não vem [ só em seus sonhos].      estar sentada no lado da janela e ver a paisagem correr.  sentir o cheiro de jasmim mesmo sendo outono.  sentir o frio cortando a face e desejar boa sorte para quem lhe cruzar os olhos.      hoje esta faminta de palavras que possam "desatormentar" o dia brilhante de sol e coragem.     as coisas fugidias  lhe encantam.  suspira por elas, quando no fundo perde a direção se não tem coisas certas [palpáveis].   como se agarrar-se a elas lhe desse um pouco mais de fôlego para a vida.







[ e com olhos  de criança
ela deseja: vida, cuida bem
de mim ]



                                                                                                                      

terça-feira, 4 de junho de 2013

sem ordem . sem meneio









(...) de repente sente no rosto aquela mesma lufada de vento que os levara para o caminho tão esperado . lágrima aprisionada na bolsa da memória caíram na curva  da estrada onde o rio se junta ao mar .  sim, há o cruzamento da esperança e da vida,  fator comum a duas realidades que apenas e só na aparência diferem.   em parceria, solta-se a lágrima retida na obrigatoriedade do aparente bem estar.  e o tempo é folha que cai, na azáfama do dia a dia a ilha forma-se e é dor.  amores desfeitos pelo capricho do destino [avanço de um dia que o tempo roubou].  as palavras são apenas o embrulho de um conteúdo que se esconde nesta sequência sucessiva dos dias onde escalam-se montanhas e percorrem-se vales.  e há a força...









segunda-feira, 3 de junho de 2013

0 tempo pra ser feliz é curto







- e a vida?

- a vida é muito grande. posso falar do dia??

é grande mesmo, Theo.
meu coração também.
amo....

[mapa-mundi aqui]




Mas me foge a lembrança....








(..) num encontro casual na avenida movimentada a pessoa diz que sempre a viu como alguém triste. e esta declaração, tão direta e limpa, a emociona . gaguejou, desconversou e não pôde admitir diante da pessoa em causa de que aquele julgamento era a verdade.   quando perguntam-me "tudo bem?", sempre responderei "está tudo bem". sim, por vezes, o interesse é genuíno. mas pergunto-me: vale mesmo a pena dizer? será que a outra pessoa entenderá? entre um "como estás" e um "tudo bem" segue uma imensidão de sentimentos.    é difícil.      geralmente, a questão surge por mera educação ou circunstância social. há também quem seja genuíno.  mas, mesmo neste segundo caso, há  uma verdade que eu não sei se quem questiona estará preparado para ouvir...














domingo, 2 de junho de 2013

catadora de poesia II



Morada
Sob esse nosso céu de balançar
fez brotar essa página de passarinho
Quem me dera ter a cor da terra
e casinha num galho qualquer

Rovênia  (aqui )







Liberdade
Asas livres... quer voar
Lança-se sem rodeio
Mesmo que seja devagar
Alça voos sem receio

Majoli (aqui )




Reencontro
Perdemos tanto nos caminhos
Para viver temos que agir
Nada adianta só fingir!

Chica (aqui)




Aprendizado
É preciso estudar,
Ouvir, respeitar.
A todo instante da vida, aprender.
Aprende-se até quando esse não é o propósito

Milene (aqui)




Renascer
 Onde há raiz
Nada abala o crescimento
E nada impede o brilho

Lis (aqui)




Sonho
Sonhar é bom,
Sonho não tem preço, pois se o tivesse
Dividiria todos os meus bens pra viver naquele lugar.

Dorli (aqui)





☼☼ Domingo  bom dia pra jogar o tédio pro lado de fora
pois o que todo sentido anseia  é a chegada da
 a l e g r i a

vai que ecoa, retumba e ultrapassa cercanias?...


New York New York by Frank Sinatra on Grooveshark


sábado, 1 de junho de 2013

sol...gira...sol








girassóis. eu os vi uma vez em massa, fileiras cerradas num exército imenso batendo continência pro sol venezuelano. era uma plantação, imagino, e da janela do carro foi um belo espetáculo.     aqui da outra janela, só, sentindo do sol só o cheiro, esse girassol não gira, e está só.  não perde a pose, porém, e continua lindo.                como faz isso, eu não sei.











....aqui outra versão perfeita!