quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Intervalo entre duas coisas.



“I hope that one day you will have the experience of doing something you do not understand for someone you love.”
misturava sonho e realidade, estava entre meio, mesclava.

[sendo tudo muito intrincado e inventivo,
mas não menos complicado]

"Se sede vinha, suave era a lã cor de leite que entremeava o tapete".

desejos que seguem

paralelos e entremeados .






quem olha 
para fora 
sonha, 
quem olha 
para dentro 
desperta.



Carl Jung


0s sóis deixam risonhos



`há alegria
diante do anjo´




voemos, então!
nas asas do júbilo
os botões da primavera
desabrocham e exalam
o aroma do êxtase  eterno
flutuando no ar lá onde 
os sonhos perambulam




terça-feira, 29 de outubro de 2013

Ser é essencialmente o que se exala


“Her lips drink water but her heart drinks wine. 
- E.E. Cummings”








    tinha pressa. seu futuro estava traçado,  e seu tempo corria ligeiro.  trouxe na mão uma flor, protegeu-a da chuva incômoda, sem tocar seu interior que sabia sedoso, tenro.  chegou, deitou-se na sua cama.




com reverência 
roubaram esse 
tesouro rubro da 
voragem das horas...





segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Pairam estórias em aberto







  Nada me é estranho. nada. nem o pedido, nem a dor. mas a impotência me aniquila . talvez por isso gosto de me perder no emaranhado das mentes complexas, segurar o fio que as conecta ao mundo do sonho.  gosto de mergulhar no vazio, espaço onde a capacidade para o preencher é imensa.  no vazio que me rodeia encontro palavras que falam.  espalho-as neste espaço em cujo silêncio a  amizade me surpreende. gosto do reflexo que o brilho da mente deixa nas palavras e gosto das palavras. nessa complexidade que é a descoberta.  por vezes penso que a  esperança é uma ave que pousa na alma, canta melodias sem palavras e nunca cessa....


domingo, 27 de outubro de 2013

Amor acumulado




nos dias que passam e no sol que se põe, afirmo, provo e comprovo que a cumplicidade se enfeita de atos e raramente de palavras. gestos que tocam levemente no mais recôndito canto da alma. stokes (resistencia), green e gauss (o resultado de ligações entre divergência que espreita), cálculos na forma de vetores que se integram e diferenciam (permitir a diferenciação de funções diversas cujo argumento é outra função). mas o único teorema que verdadeiramente faz parte de todo o  meu universo de palavras é: amar você theo.


(sorte/provas do -enem
exame nacional do ensino médio/)


sábado, 26 de outubro de 2013

E a natureza transitória de existência...










Quero caminhar e ouvir os meus passos  ecoarem no silêncio.

 [se deixar ouvir, O meu passear por esses caminhos]

Sentir que vou em boa direção.


[e que alguém irá com tempo escutar, o rasto belo e único do meu andar].


Preciso ouvir esse silêncio consciente. Se o que sinto não são palavras.
















´e não penseis que podes 
guiar o curso do amor
porque o amor, se vos escolher
marcará ele o vosso curso´
Gibran Kahlil

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Alquimia do mesmo caminh0






posso atravessar o deserto, se dentro de mim ainda houver uma flor pequena delicada sem espinho.  a flor que deixou comigo. essa flor que dura, mesmo sob o sol, mesmo contra o sol e por vezes furiosa.   tudo começou como uma semente, criou raízes e emergiu, jamais será uma invasão, mas uma possibilidade de ajuste, um fogo de ramos perfumados, crescendo para dentro da casa, do quarto, do peito, através das janelas quebradas, contra o vidro.   posso, se quiser, demarcar certos espaços para que nossas almas se  entrelacem nessa flor que fende as rochas,  no corpo enraíza e com perfume para  lavar da áspera solidão e estar confortável na minha pele. posso atravessar o deserto, se dentro de nós ainda houver a pureza  de uma flor intacta .
  

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Escorregando no sopro das marés









o mar imenso
concha e areia
pelo céu da boca
a palavra escorrendo

no canto da retina
a poesia marulhando
levando -a esvoaçar
sem destino
por dentro do vento


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Que cheguem ao coração e a mente




desejo que você reformule tudo. quanto mais rápido você fizer isso, melhor. desejo também que tenhas a percepção de que a alma constrói, mas  quando percebe que o que construiu não condiz com seu verdadeiro destino, ela mesma destrói para que nada limite o processo que conduz à aproximação ao verdadeiro eu.  pensando assim, na liberdade de ser o que quero, todas as manhãs olho o horizonte para ver o tempo e, na linha do tempo, as asas do amor voltando ao meu refúgio.    não pense que os ancoradouros mudam de lugar. quero que traga seu barco carregado de afeto e de flores. traga-me também os seus medos e as suas dores recônditas. sopro as feridas como a deusa que habita todas as mulheres.  e selo a vida com o beijo das celebrações inesquecíveis. não nasci só para alinhavar palavras. há ternura, compreensão, carícias plenas. há humanidades indizíveis...







                 






**musica:
''Tara tem o poder eterno de salvar 
as criaturas atravessando-os 
com total segurança pelo horrível
 “oceano da existência fenomênica,
 pois o mar inteiro é o brincar cintilante
 e ondulante de sua shakti”.

tem mais aqui

terça-feira, 22 de outubro de 2013

A natureza tem muitos segredos para compartilhar...




Segundo Osho há um momento em que a gente  se prepara para deixar de lado quaisquer expectativas que tem cultivado a nosso próprio respeito, ou a respeito de outras pessoas e se  prepara para assumir a responsabilidade por quaisquer ilusões que possa ter estado carregando. nessa hora, não há necessidade de fazer nada, bastando repousar na plenitude de quem você é neste exato momento.  pois bem, o cenário, no dia "meu"  é este que deve ser destacado e apreciado sem moderação . foi tudo perfeito. andar  alegremente, sem metas a atingir, centrada, com amor, deixando-me fluir num caminhar  despreocupado, desinteressadamente -- sem estar buscando alguma coisa em especial, mas apenas desfrutando a beleza da natureza --. sentir o quanto isso é relaxante, repousante. a essência está à vontade. faço o que for, mas, no âmago mais profundo, permaneço à vontade, calma, centrada.  Obrigada Amigos por tão gentis palavras deixadas.   



Obrigada Deus por mais um ano de vida.






Não quero deixar o melhor de mim para amanhã...









 0 tempo implacável, nessa roda viva e gigante, deixa de herança lembranças. as boas, cabe o alento nas horas mais difíceis, quando as ruins insistem em criar uma carapaça em cima daquela chama do eu, essencialmente apaixonado e entregue.   hoje uma data diferente? quando criança mágico ! um bolo, um suco. todos animados cantando um ´parabéns pra você´. quanto mais velho, mais bonito? é o que se diz [se o amor sabe tudo fazer].  talvez a surpresa do silêncio interrompido naquela voz  de fazer crescer os sonhos deixe a alma respirar mais bonita, mesmo sendo entre a tempestade e a certeza [pode ter um jeito de acasalar o canto do mar].  contudo, para isso, mesmo que vez ou outra sejam necessárias podas e torções[e fazer do meu canto um brado tão fundo] , 0 dia hoje deve se resumir a cheiros e cores de uma vida ao sol, muitos cuidados e amor. 
hoje o dia é só meu!!




domingo, 20 de outubro de 2013

No vão de todo o meu assombro





eu sei que você sabe que não sei estar contigo sem coração. principalmente quando não me encontro nas linhas imaginárias da tua mão, nos tons da tua nota azul ou em qualquer outro lugar sem fim. e por vários dias não o tive. estavas por aí, num quinto da superfície da terra, no grande rio que o circundou.  [foi assim também, um dia, quando os gregos ditaram verdades ao mundo] .  e nós sabemos, sabemos tão bem, meu bem, que verdade, verdade é apenas o que não [nos] aconteceu. de resto, aguardo o tempo. esse tempo insofismável em que se fará o regresso ao coração.

sábado, 19 de outubro de 2013

As horas que o sonho não guardou









o asfalto e os tetos me seguem por desertos e mares, e nada junta meus cacos. reflexos de sorrisos passados, a melancolia de um céu que entreabre um pedaço de mar.  uma possibilidade de regresso ? mãos abstratas seguram espelhos de vento.  o tempo por trás das palavras torna-se insuportável. existe chuva por onde não passamos em certos invernos mas o que fazer com as  raízes do coração? qual o caminho mais curto para o destino? mais um pouco e virá o tempo de soletrar o vento que nos agita a alma. o tempo de rasgar a indecisão e partir com aqueles que nada sabem. olho para as linhas das mãos e vejo atalhos. atalhos para quem chega. atalhos para quem tem de partir.

O ar está cheio de murmúrios misteriosos




´não te amo à luz plácida do dia
amo-te quando a neblina te transporta
nesse momento, amante, abres-me a porta
e eu te possuo nua e fugidia´












poeta dividido 
entre o sublime e o cotidiano, 
entre o devaneio e o lirismo 
pleno de simplicidade


Feliz dia Teu!

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Dos arranha-céu aos telhados....











rosa de plástico
maçã de cera
joia de vidro

muitas coisas iludem
0 olhar distraído








[ ainda bem que não há 
palavra que traduza
o que somente uma língua
grudada em outra língua
faz comunicar]


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Para inventar limiares






nos céus e nas marés
riscos
rastros
desejos.


nos intervalos
afinação
flores
fissuras
pausas
aberturas.


pelos limites do mundo
nuances
sonhos
travestidos de asas
que nos levam
 além.














quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Basta ler, com paciência, a lousa da superfície...




A alma só acolhe o que lhe pertence; de certo modo, ela já sabe de antemão tudo aquilo por que vai passar. Os amantes não contam nada de novo uns aos outros, e para eles também não existe reconhecimento. De fato, o amante não reconhece no ser que ama nada a não ser que é transportado por ele, de modo indescritível, para um estado de dinamismo interior. 

E então é impossível reconhecer uma pessoa ou uma coisa sem relação conosco próprios, pois o ato de tomar conhecimento toma das coisas qualquer coisa; mantêm a forma, mas parecem desfazer-se em cinzas por dentro, algo delas se evapora. É por isso também que não existe verdade para os amantes; seria um beco sem saída, um fim, a morte do pensamento que, enquanto estiver vivo, se assemelha à fímbria arfante de uma chama, onde se abraçam a luz e a escuridão. 

Os amantes não se pertencem, mas têm de se dar em oferenda a tudo o que vem ao seu encontro e se oferece aos seus olhares entrelaçados.

A natureza e o singular espírito dos amantes olham-se nos olhos, e são as duas direções de um mesmo agir, um rio que corre em dois sentidos, um fogo que arde em dois extremos.

Robert Musil, in 'O Homem sem Qualidades'



´bendito o Senhor
que faz  nova
todas as horas´

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dá -me qualquer coisa que me pareça eterno






 você não imagina o que sinto quando o mar que carrego entra em ressaca. tento canalizá-lo e expressá-lo em palavras mas sinto dentro do corpo um mar de sentimentos. estou cansada de minha aflição. está me atrapalhando. parece que não consigo me livrar dela. peço que entenda mais do que possa perdoar. só você pode  alterar a minha química--coloca fogo em meu coração e traz paz a nossas vidas. só você sabe a mágica de possibilitar que duas pessoas visitem o céu no mesmo instante--.  adoro esse teu olhar blasé que não só já viu quase tudo mas acha tudo tão déjà vu mesmo antes de ver. você tem o dom  de fazer 
os meus olhos sorrirem... 



´alegre era a gente viver devagarinho
miudinho
não se importando demais
com coisa nenhuma´
=
Guimarães Rosa

.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

0 caminho de volta à tua ternura




 esqueci de adormecer. fiquei inventando histórias para mim. fazendo  de conta que a mais bonita de todas ainda não me aconteceu.- ´eu sou aquela de quem tens saudade, a princesa do conto ´era uma vez...´ - nos olhos trago ondas de energia. na pele  um vasto campo de algodão ao som das rajadas de vento  e flor .  plantei luas nos alpendres da tarde  e estrelas cadentes que quebrassem vidraças  na revolta dos sentidos .  levei tudo que meus olhos pudessem colher e minhas mãos sonhassem e cantei todas as canções que meu silêncio desejasse na linguagem antiga,  aquela que trazemos no corpo e existe para além de nós....







sábado, 12 de outubro de 2013

O amor é como a criança : deseja tudo o que vê



...é uma forma
de (vi)ver,
e ver de novo,
mais tarde.













feliz dia  para a sua criança interior
que sorriu para o desprazer
e amanheceu.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Em várias circunstâncias...








Prefiro cinema.
Prefiro os gatos.

Prefiro os carvalhos nas margens do Warta.
Prefiro Dickens a Dostoievski.

Prefiro-me gostando de homens
em vez de estar amando a humanidade.

Prefiro ter uma agulha preparada com linha.
Prefiro a cor verde.

Prefiro não afirmar
que a razão é culpada de tudo.

Prefiro as exceções.
Prefiro sair mais cedo.

Prefiro conversar com os médicos sobre outra coisa.
Prefiro as velhas ilustrações listradas.


Prefiro o ridículo de escrever poemas
ao ridículo de não os escrever.

No amor prefiro os aniversários não redondos
para serem comemorados cada dia.

Prefiro os moralistas,
que não prometem nada.

Prefiro a bondade esperta à bondade ingênua demais.
Prefiro a terra à paisana.

Prefiro os países conquistados
aos países conquistadores.

Prefiro ter objeções.

Prefiro o inferno do caos
ao inferno da ordem.

Prefiro os contos de fadas de Grimm
às manchetes de jornais.

Prefiro as folhas sem flores
às flores sem folhas.

Prefiro os cães com o rabo não cortado.
Prefiro os olhos claros porque os tenho escuros.

Prefiro as gavetas.

Prefiro muitas coisas que aqui não disse,
a outras tantas não mencionadas aqui.

Prefiro os zeros à solta
a tê-los numa fila junto ao algarismo.

Prefiro o tempo do inseto
ao tempo das estrelas.

Prefiro isolar.

Prefiro não perguntar
quanto tempo ainda e quando.

Prefiro levar em consideração
até a possibilidade do ser ter a sua razão.


Possibilidades de  - Wislawa Szymborska





´ fecho os olhos.
fecho quase
sempre
os olhos
pra você´

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Lembro-me de te falar ao ouvido








por um longo tempo(em sua existência) vagou .espreitava grutas, tocas, troncos, lagos [e todos os recantos sombrio] .   fechou os olhos e desejou -nunca mais a força bruta, quer apenas o prazer, sem o sofrimento da paixão, sem o aborrecimento da rotina -  capturou a palavra mais linda e quis entregar  ao seu bem querer. uma vez recebida ela a solta como pássaro em poemas...
 .







segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Me pega no pulo onde eu menos espero...



há coisas irresistíveis nessa vida . há todo tempo vem como alento.

[assopro suavemente. sei que vai ser bom e aproximo da boca,
das narinas e o cheiro vem inteiro, quente, mais cheio agora do que antes,
quando o café se misturando enchia a xícara até a boca]


há saudades assim.

meio-dia adentro



  andei por aí  tentando rimar alecrim com teus olhos como se fossem eles o motivo de eu ficar aqui imaginando as palavras na tua língua. as folhas estavam agitadas pelo frio seco e ensinavam um novo caminho distraído, mas inquieto. quis voltar e partir para o inverso daquilo que planejei. mas os planos já estavam feitos. segui pela sonoridade que o coração insistia em lembrar.  eu imaginei quando por trás de mim o mundo acontecia. tão perto. íntimo.  lembrei do mundo real. sangrento, solitário, barulhento e indiferente [ frio como gelo que não derrete]. mas quando tu chegaste batendo palmas no temporal só dei pelo que não tinhas a cor, o perfume, o calor as décadas. das tuas posses me permites o que desejas perder. mas o que mais tu tens - que essa luz continua acesa?
 sopras então, nos meus quatro cantos uma cançãozinha de lá de onde eu venho:











"alecrim
alecrim dourado
que nasceu no mato
sem ser semeado"


....

domingo, 6 de outubro de 2013

sábado, 5 de outubro de 2013

Guardando felicidades dentro do pensamento

léa seydoux by mario sorrenti


 quietude
s. f.
Paz; sossego; bem-estar do espírito.

qui
s. m.
Vigésima segunda letra do alfabeto grego figurada por x.

etude
estudar
v. tr.
1. Frequentar as aulas de.
2. Fazer o possível para conhecer ou compreender.
3. Analisar atentamente.
4. Planear.
5. Decorar.
6. Ensaiar.
7. Sondar, tratar de conhecer.
8. Examinar, observar.
v. intr.
9. Ser estudante; ser estudioso; aplicar a inteligência.
v. pron.
10. Observar-se; procurar conhecer-se.









[estava sempre 
falando de AMOR
especialmente 
quando não estava  
falando de amor]

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

E a tua luz andava perto...



netbookk:


"Life is lived in the small moments and gestures, and in the willingness to savor them"
Vía  dcpnomadictraveler: m-as-tu-vu: Photo by Jo Grabowski








  peço-te para amanhã voltares mais arqueado pela esfericidade da Terra. 
deixaste um raio de Sol na ombreira da porta  e amanhã chegam os dias claros e magicamente soltam-se  as amarras e os nós . cala-se o grito desta voz. desfazem-se  as paredes erguidas em nós.  elevo-me aos céus para que o paraíso se reinvente. ali onde as tuas mãos procuram as impressões digitais das minhas e peço-te em sussurros,  vencido o medo ensina-me a voar dentro de ti...












.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Ficar passarinhando...







"(...)E se eu tivesse simplesmente desejado ouvir sua voz? E se eu talvez tivesse apenas desejado inalar um sopro do cheiro de seus cabelos e sua pele?"


"Escrever é como beijar, só que sem os lábios. Escrever é beijar com a cabeça."

Quando sopra o vento Norte | Daniel Glattauer


Passarim (vídeo ali )

E só conseguirá ouvir as coisas boas....









   longos e pesados instantes que deslizam sobre a minha pele e me provocam a alma. a vida desponta entre explosões bêbadas de cores junto com o nascer do sol. amanhece nos sulcos mais profundos, nos vales mais distantes. o primeiro raio de sol entra pela janela e me desperta. amanhece e quase ninguém mais dá valor às cores que queimam o céu durante as primeiras horas do dia.  e eu danço, eternamente livre, a dança do improviso entre a transcendência e a concretude. entre memória e imaginação....













quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Nas entrelinhas da vida banal....















a esperança devagar sorriu
pela manhã
e as [tuas] palavras ainda
 fazem poeira de sol
entre os cílios



Qual é o problema de ser absolutamente comum?



   sim. são tão fortes as coisas! tenho palavras em mim buscando o canal. aperto o passo, e a sombra escura varre folhas minúsculas. metade despista meus passos, metade marca meus rumos, e não raro tropeço em um deles.  sorrio enternecida, sabendo que linhas finas que ninguém convidou vão traçar em torno da doçura uma trama fina de tristezas velhas, notas de rodapé do que nem chego a dizer, bordado desfiado de fios cinzentos que eu tento trazer para a luz mas que se enovela, se enrosca, como se os fios irregulares fossem a tela do que pinto e bordo, forro poído das minhas fantasias  [é quando visto esse manto cinza que eu me sinto mais nua].  porém, uma vez superada a perplexidade inicial, a desordem de outrora vai se transformando num modo muito peculiar de organização [assim são as coisas, o que em algum momento parece bagunça, na verdade é o prenúncio de que as coisas vão mudar de formato]  necessário é fazer oposição à loucura do mundo, mas sem entrar em conflito, apenas demonstrando, através de atitudes e movimentos práticos, como é que as coisas podem ser feitas.prefiro estar mais perto do chão, mais perto da verdade......





.
.