terça-feira, 4 de novembro de 2014

Tens pressa de viver?


basta de contagem (de)crescente e  palavras ansiosa. por hora vou me dedicar às coisas que fazemos sozinhos, aquelas que pedem quietude e delicadeza. nada muito grandioso, apesar o pulsar dos pequenos gestos que não exigem esforço, não alteram minha respiração nem meus batimentos cardíacos...enjoei dos riscos, das perguntas sem respostas, das incertezas que dependem de um sim, da afirmação que abre espaços inseguros, porque na hora H as ondas se movem e a vida não cabe na garrafa. a vida é um licor que transborda. hoje parei as horas de angustia. quero mais
calma na alma.




sábado, 1 de novembro de 2014

as notas em cordas da (im)paciência






ela tanto tanto quis
o agora
  que logo logo
deixou tudo
   pra depois
        de depois