quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Como os versos se enrolam e se tocam





com meus pequenos pedaços de poesia sentes como é escrever as palavras? senti-las no corpo. arrancá-las do meu corpo e te entregar, para que as sintas chover em gotas de um amor tão doce (que por pouco não comiam-se). quero enfim, que o poema seja teu e sejamos o poema e eu seja a palavra e tu sejas a poesia.     sentes como te percorro num poema?






domingo, 25 de setembro de 2016

amados, amantes, amáveis...



Comece a achar que as coisas têm jeito.  aprenda a  puxar lá do fundo do sótão, o jeito de sorrir pros nãos da vida.  mas se não conseguir, me deixa te dar colo, te dizer baixinho que tudo está bem quando acaba bem.  me deixa adormecer essa tua inquietação, dar conta de todos os teus medos.   garantir que, comigo por perto poderá fechar os olhos, descontrair os músculos.    sei que estas preso dentro de si e que esse invólucro que apresenta é apenas uma pele seca que mais cedo ou mais tarde largará pelo caminho, quando achar lá à frente a tua esfera.     quero o teu corpo com a pele da fantasia que me banhara nas tardes douradas com que nos brindará a primavera...








sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Na segura certeza de que mal não te faz....






.agradeço ao Amor
este que vou conhecendo,
que entra e sai do Som
do interior de mim
para o  teu   coração
e do interior do   teu coração para mim.
este Som sangue que circula
 nas nossas veias
e neste circuito completo que
somos nós,
damos um nó perfeito.

agradeço os lugares do Amor.

o Coração a pulsar.


Amor que também se revela nas pessoas de bom coração que eu posso sentir.