terça-feira, 13 de agosto de 2013

Fórmula do acaso....




artemisdreaming:

 Carlos Andres Varela Photography via: stylemepretty
ela se fecha dentro de casa. lá fora só havia pontos, dois pontos, reticências, resistências, nunca uma frase inteira, uma história com mais começo e menos fim. quis dar a volta ao mundo, viajar de mãos dadas, pegar arco-íris, se embebedar de sumo, acabar o vinho, secar o copo, dar uma festa bêbada de alegria. mas há os que sonham menos, a vida é de carne e osso, a poesia transborda como um afeto líquido, que não cabe em lugar algum, em tempo nenhum.  é um rio num espaço exíguo.então, ela que não é de constranger, passeia dentro de casa. feito uma gata com sede, ou um cachorro com medo, um pássaro preso, uma fera no sótão. não é muito confortável seu esconderijo, mas não quer o ruído nem o silêncio dos que já partiram. se fosse lá fora, haveria sementes, a terra sulcada, a chuva ininterrupta, a exposição ao calor e ao frio, a promessa de renascimento. mas há dias em que se desiste da existência. pra que tanta insistência? quando tudo é dilacerante e claro: o amor que começa com um poema, termina com outro poema.
e é bonito que seja assim.










15 comentários:

✿ chica disse...

E, de poema em poema, um lindo livro pode ser escrito!

beijos,chica

Ricardo- águialivre disse...

Boa tarde

Simplesmente divinal

Na mistura de sentimentos nasce a poesia que na sua essência não é mais que amor pela arte ou até outro...

Fique feliz
*************************
http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

Cidália Ferreira disse...

Boa tarde Margoh

Adorei ler..

beijos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde Margoh.. poxa agora sim que eu me vi nesta poesia.. bem como tudo começou.. fechava-me no quarto, acendia uma vela, queimava um incenso, colocava uma música.. e lá estava eu horas e horas do dia a escrever, a remontar sonhos em versos.. lembro que minha mãe achava que eu estava doente de tanto que vivia no quarto.. só se acalmou quando o meu livro bateu a porta de casa aos 21 anos rsrs muito bem escrito aqui bjs e um lindo dia

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá,
A vida é de carne e osso, é com vida que se escreve poesia, é com vida que se mostra os sentimentos, és com vida que se desfruta do amor, é com vida que se vive a felicidade, é com vida que se morre por amor.
A vida é simples quando não se complica.

ag

SOL da Esteva disse...

Querida Amiga

Um texto para se reflectir em profundidade.
Os Poemas não terminam após o fim do Amor; o Amor é que termina no fim dos Poemas.
Mas gostei da dica.


Beijos



SOL

R. Vieira disse...

É fantástico. Assim como estes versos que acabo de ler!

Beijinhos!

Fernanda Oliveira disse...

Boa noite Margoh...
Gostei do seu escrito.

Beijos!

Fernanda Oliveira

Néia Lambert disse...

Sempre gosto de tudo por aqui, mas hoje posso dizer que amei!

Beijos

Shizu disse...

Oi amr! Desculpa incomodar assim, mas queria te avisar que ta rolando um sorteio lá no blog e vir te convidar a participar.
O link é esse: http://himi-tsu.blogspot.com.br/2013/08/sorteio-com-obashop.html
;3
Se não tiver interesse por favor apenas desconsidere meu recado e mais uma vez desculpa o incomodo ♥

Cecilia Mesquita
Coffee Drop Blog

Rovênia disse...

Que lindas palavras, Margoh! Engraçado ler isso, trouxe a lembrança do primeiro presente que ganhei do meu marido, antes de ser namorado até: um caderninho em papel reciclado para que eu escrevesse poemas. Nunca fui de poemas, mas haviam páginas "amareladas" pela frente e uma dedicatória por incentivo: "A vida é bela". E pode ser, não é? Quantos poemas não temos para escrever... Vou voltando... :)

Van disse...

Oi Margoh

Tanta vida naquilo que não cabe na vida, que transborda (em você transborda um pouco mais).

Poesia é moeda corrente troca sentimentos por palavras.

Um beijo grande

Pedro Coimbra disse...

E é muito bonito um texto assim.

Yasmine Lemos disse...

Quando vi a gata ,vi você. Mistério e força, amor e sensualidade nas linhas,desejo agora ou naquele instante ficar sozinha.
meu beijo

Benno disse...

se escrever não permite
- na maior parte das vezes -
a comunicação
pelo menos é passaporte para viajar para onde se quiser
- ou não quiser

Beijo