sexta-feira, 30 de junho de 2017

eu desapareço sempre que fecho os olhos


A imagem pode conter: pessoas em pé, oceano, céu, atividades ao ar livre, água e natureza




amanhã é sempre o dia em que há tempo. hoje não. hoje o tempo espera. mas amanhã, sim, as coisas têm espaço para ter vida. e entre hoje e amanhã há um abismo de vontades. amanhã é a gaveta do armário, o bolso do casaco, o guarda-chuva na despensa. é libertação, é engano, é escolha, é resguardo. na verdade não há suspense. estou suspensa. cabeça e pés. se olhar pra frente, porém, o lápis só vê novos mundos...






9 comentários:

Solange Duarte disse...

E se eu olhar pra trás só vejo vc..


Lindo...... Sds daqui

Bjs.Sol

✿ chica disse...

LINDO,Margoh! bjs,chica

Majo Dutra Rosado disse...

Gosto dos seus poemas, mas não sei se vou voltar...
Ao tempo que não me visita!!
Ótimo Domingo.
~~~~~~~

Arnaldo Leles disse...

Bom retorno Margoh

Bia Hain disse...

Olá, Margoh, como vai?
Quanto tempo perdemos adiando ou adiantando aquilo que nos importa... tenho buscado fincar os pés no presente e vier os sonhos que tenho no agora, pelo menos dentro de mim. Abraços!

Pedro Coimbra disse...

Nunca ouviu dizer que não se deve guardar para amanhã o que não se pode fazer hoje??
Bjs, boa semana

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá, somos assim, adiamos sempre para a ultima hora, menos no amor.
Feliz semana,
AG

José Carlos Sant Anna disse...

Sobre a mesa o hoje do amanhã que não espera!
Beijos, minha querida!

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Ah esse teu amanhã
Cheio de proposta e sonho
Que poderá ser risonho
Ou de ação quase vã

Corpo são e mente sã
Se o aprendiz for bisonho
Pode dar luz a medonho
Desfecho e obra ao satã.

Importante, é aqui e agora
É este o momento e a hora
De dar luz à luz da luz

Que nos tirou do outrora
E levará sem demora
À luz que encanta e seduz

Grande abraço. Laerte.