sexta-feira, 22 de março de 2013

O vento bate ao contrário




surpreendo quem me conhece. sou  de uma natureza quieta e zen.  não faço muito barulho. muitas vezes sou como a gata que caminha entre os cristais sem nunca partir nada e sem  se fazer ouvir.  não faço alarde.  eu aprendo com as pequenas coisas da vida. com as colheres que mexem o café  aprendi a ver como será o dia de quem convivo(de como a vida se faz). e segui observando e experimentando o que me diziam as coisas do mundo que já existiam antes de mim. eu aprendi muito com a minha vó Madalena que tanto gostava de se reunir para um chá (no aparelho de porcelana fininha) com as suas amigas que se vestiam de preto antes mesmo da moda ter inventado como sendo um coringa no clouset. aprendi com a minha mãe que fazia sonhos deliciosos recheados com goiabada em sua pedra de mármore enquanto cantava coisas que inventava.  aprendi com os limões que apanhava no quintal a me livrar dos espinhos curtos e afiados.  aprendi com a difícil palavra que quebra uma esquina , com as pedras e os insetos do caminho. com os sonhos ruins e os monstros de banheiros.  aprendi que nada se deve desperdiçar porque cada segundo, é demasiado precioso.  eu sei de muitas coisas, até que a sombra máxima pode vir da luz mínima, acredita?    é...só que às vezes não sei.

-- 0 silêncio é o irmão mais sábio das palavras?     




´... yesterday ♫.....ouvindo   aqui




20 comentários:

José María Souza Costa disse...

Holla.
Estou aqui para desearte un fin de semaña, bueno.
Besos del Brazil

✿ chica disse...

O silêncio faz bem, mas nem sempre sou quietinha,sr LINDO! beijos,chica

Dilmar Gomes disse...

Texto lindo, amiga Margoh.
Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

Mateus Medina disse...

A gente sabe, mas as vezes esquece.

Não sei se o silêncio será o irmão mais sábio das palavras. Acho que na maioria das vezes ele acaba por ser o mais conveniente. Mas nada ensina tanto quanto as palavras, embora às vezes o silêncio também valha ouro...

bjos

Rovênia disse...

Margot, que lindo esse seu texto... Assim mesmo, sem pontuação, direto do coração! Amei a porcelana da sua avó, os sonhos da sua mãe, tudo. A versão da música dos Beatles não conhecia. Ficou ainda mais delicada! Ótimo fim de semana, com mais segundos a não desperdiçar. Beijão!

may lu disse...

"Aprendi que nada se deve desperdiçar porque cada segundo, é demasiado precioso."
Mesmo os segundos silenciados, preciosos eles nos são.
Aprendo com eles...
Às vezes apenas divago
Outros tantos
Mergulho em silêncios turbulentos, inquietantes...
Mas, também há aqueles
Em que apenas medito
À espera de respostas.

Grande beijo!!!

Majoli disse...

Algumas vezes, sim.
Em outras, sinto que as palavras se fazem necessárias.

Lindas suas palavras.

Beijos Margoh querida.

Metalurgia das letras disse...

Quando o vento bate ao contrário eu recolho as velas e viro o leme a favor das ondas. Me leve... Lindo poema amiga Margoh!

INTEGRAL DE MIM E DE MEU TEMPO ! disse...

Lindo o texto....
Muito terna a descrição de si própria....
O silêncio é o pai das palavras....
Beijos e já te sigo!

Cristina disse...

Hermosa entrada, muy fina y delicada, un placer leerte!
Te dejo un fuerte abrazo, buen fin de semana!

http://perfumederosas-cristina.blogspot.com/

artista sem pena disse...

Obrigado por comentar no meu blog, Pessoa Misteriosa!
Gosto como você usa as palavras!

Kim disse...

Pensamentos dignos da rainha Margot!
Bom fim de semana
Beijinho

Milene Lima disse...

Aprendeu um montão de coisa, menina. Queria ter colhido, contigo, os limões do quintal. E comido os sonhos feitos pela sua mãe. E ouvido as prosas da Vó Madalena.

Ouvindo a música que é minha? Tá, eu deixo. Rsrs...

Beijo, minha querida sentimental.

รяª Nathalia disse...

Quanta perfeição em poucas linhas.
Coisas da infancia nos marca de uma forma incrível né?
Agora me deu vontade d comer sonhos rs

Lou Salomé disse...

Adorei o texto! Tanto aprendemos e tanto esquecemos. Afinal, somos meros humanos a tropeçar pela vida... :)
Um beijo

Sónia M. disse...

Aprendemos tudo

para esquecer tão rápido, às vezes...


Bom domingo
um beijo grande :)

Bia Hain disse...

Oi, Margoh. Silêncio e palavras são sábios igualmente...saber a hora de usá-los é que é um gesto largo de sabedoria. Seu texto me fez sorrir. O aprendizado constante e suave lapidou sua alma lindamente. Um abraço!

Elisa T. Campos disse...

Nossa Margoh
Lindo. lindo
Viajei e trouxe minha saudosa mãe com o seu maravilhoso texto também. Saudade dos bolinhos de chuva que ela fazia.

Um outono Zen
Só aquece o silêncio
a xícara de chá

Beijos

Evanir disse...

Que, na Páscoa, nossa fé seja revigorada pela
certeza de que Cristo ressuscitou e está entre nós.
O sentimento de Páscoa não termina,
ele sinaliza um novo começo da primavera
e a vida marca nossa amizade.
Feliz Páscoa Deus abençoe
tremendamente sua vida.
Beijos na alma carinhos no coração.
Tem mimo na postagem caso gostar fica
a vontade para pegar..
Evanir..

Liza Leal disse...

Voltei para lhe dizer, oh criatura de natureza quieta e zen,
se podemos realizar seu desejo com jeitinho. rsrs
Margot, mande-me seu end. de email/gmail.. Tentarei enviar as músicas
que gravei recentemente, ok!

bjok
L.L.