terça-feira, 28 de maio de 2013

Inerente




(..) por um segundo ela desejou  o aperto seguro do teu abraço.  mas sabia que não poderias encostar teu coração no seu sem senti-lo pulsar.  tem um coração intenso pede a ira, o grito, a dor. prefere que seja pungente, latente, berrante. quer a certeza do duradouro.  o que não passa. onde nada é aleatório ou acidental.  gosta da  suavidade da lembrança que não se apaga, não se esquece.   não a  proíba de entender a paisagem que desenhas por falta de força no teu traço.
                   ---morrer de amor é viver nele.















8 comentários:

JP disse...

Há sempre um abraço seguro....há sempre um morrer de amor...há sempre luz e vida.


Beijinho

Yasmine Lemos disse...

E imaginar que muitas vezes apenas a lembrança que rasga a cicatriz ,ameniza.
o blog está lindo
beijo
p.s: depois me ensine como coloca a midi pequena no post

Dorli disse...

Oi Querida

Amor tem seus limites também...
Namastê!
Beijos
Lua Singular

Pedro Coimbra disse...

Os textos que nos deixa aqui são de uma beleza extraordinária!

Anônimo disse...

Quem não gosta de um abraço apertado?!...
Quem não quer Amor eterno?!...
Belíssimo o seu texto!
O Amor é inerente à vida de todos nós.
Muitos parabéns e muito obrigada por partilhar os seus escritos.
Continuação de uma boa semana.
Beijinhos da
Beatriz
blog Vida e Pensamentos
http://pegadasdeanjo.blogspot.pt

Rovênia disse...

Quem nunca se apaixonou, viveu a intensidade de um amor sem limites. Faz parte, marca e não se esquece! Post de hoje é inspirado em um comentário de uma certa fada...

Beijos, amiga! :)

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Margoh
Agradecendo sua visita sempre tão gentil.
lindo poema, linda musica.
Um amor assim marca.
Beijinhos.

lis disse...

O amor será sempre um tema abrangente, sem limites.A cada fala um modo de senti-lo,
e seus devaneios combinam comigo_ eu amo!