sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O que é que acontece?





algumas vezes não dá muito certo  sair por ai falando que a vida é bela. de hoje em diante quero a verdade,  ainda que seja para ser colocada em sopros sobre um tecido fino, desses que  esgarçam à toa como as pétalas [ou as pessoas].  pelo sim, pelo não, ainda prefiro a verdade.   é como agarrar a crina de um cavalo quando ele salta eu sinto medo, mas me seguro.   com  a mentira não dá pra saltar.   é o inesperado. o bote da serpente.  o fio da lâmina. a hora do blues [aquela em que se desvanecem todos os argumentos] e sobra a dor. que dita assim, de forma quase técnica, dói quase menos.  a mentira tem pernas curtas, dedos longos, olhos que se abrem como um semáforo sinalizando PARE!





7 comentários:

✿ chica disse...

Ainda que a vida seja bela, sempre encontramos pedrinhas ou pedrões pelo caminho! Estar preparadas é preciso e saber rebolar,rs bjs,chica

Cidália Ferreira disse...

Linda poema

Nada como a verdade!!

Beijinhos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Arnaldo Leles disse...

Adorei, Margoh!

Arnaldo Leles disse...

Legal!

SOL da Esteva disse...

Diz o velho Ditado que "a verdade é como o azeite. Vem sempre á tona da água."
A transparência não esconde do conhecimento o que é bom ou menos bom.
A verdade, muitas vezes dói. Mas é preferível uma ferida aberta, curável, a um cancro (câncer) silencioso e mortal.
Belo. Gostei.


Beijos


SOL

Evandro L. Mezadri disse...

Ótimo texto, Margoh!
Concordo plenamente!
Grande abraço, sucesso e ótimo final de semana!

Cidinha disse...

Olá, passando por aqui. gostei muito do seu lindo espaço. Notei seu carinho pelos animaes, esses nossos irmãozinhos menores tão especiaes. Lindo poema!! Estou ti seguindo.... se te ver um tempinho passe lá no blog star, pois será um prazer!! Abraços e bom domingo.