quinta-feira, 6 de novembro de 2014

te sinto no silêncio de dentro




por onde eu vou levo meu tempo imaginário, suas histórias e a certeza de que o tique taque do relógio avisa que alguns sonhos se concretizaram e outros ainda estão sendo moldados. na verdade eu jamais teria coragem de te contar quantas vezes já me surpreendi fazendo planos e te colocando neles. eu até escolhi os sapatos, e nunca te contaria que eles seriam azuis. eu também não poderia te contar que procuro teu cheiro em quase tudo e que adoraria te ver comendo melancia, sentado na grama em um dia de verão. imagine se eu te contasse que desenho teu rosto no meu travesseiro?  e  se tu soubesses que já colhi flores pra ti, só que deixei no vaso da minha mesa. ficou lindo, estavam comigo; eram minhas. e cada dia que passava, perdiam vitalidade, por fim murcharam. se eu às tivesse deixado como faço contigo, elas ainda estariam lá. ainda seriam belas e poderiam me amar por isso porque  jamais te contarei. nunca te murcharei. nunca te terei. nunca te perderei. esperar torna-se então um refúgio, um lugar seguro, sem riscos; 
um sentimento sem sentimentos...




7 comentários:

ᄊム尺goん disse...

*inspirado em uma série de tv

Dilmar Gomes disse...

Amiga Margoh, eis um texto de excelente nível literário. Um abraço. Tenhas uma boa tarde/noite.

Cidália Ferreira disse...

Boa noite Margoh

Que texto maravilhoso!!


Beijinhos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Simone Lima disse...

Ow Margoh, é lindo e triste, pensar em não colher pra si o amor, pra que ele não murche. "Nunca te terei, nunca te perderei"!!

Perfeito, só!!

Beijoo'o

Ghost e Bindi disse...

Oi Margoh, obrigado por nos visitar...é um prazer conhecer seu espaço e seus textos.
Abraços

Bíndi e Ghost

Maria Alves disse...

Que bonito!

Beijinho *

✿ chica disse...

Sempre muito lindo aqui,Margoh! Hoje não consegui comentar no post do dia! Não abriu! Mas digo aqui que sempre te esmeras pra apresentar maravilhas! bjs, chica