quarta-feira, 27 de abril de 2016

na infinitude de tudo o que poderia ser....





depois da tempestade, o silêncio se faz presente, e observa, antevendo possíveis suspiros ou brilhos molhados que pendem de olhares suplicantes por se fazer ouvir. parece tarefa árdua, mas apenas para quem não se importa. hora de ler nas entrelinhas e nas literalidades, plantando atalhos, indo em busca dos dados divisórios e os enraizamentos que permitirão a compreensão do quebra-cabeça existencial. é saber que participamos e coexistimos da mesma matéria daqueles que ouvimos e somos tão imortais quanto os sonhos e as vicissitudes que alimentam a todos. é preciso buscar forças que nos permite navegar em mares tanto rasos quanto profundos pois no fundo, nada se sabe sobre o começo que recomeça a cada momento. 

...

digite 
zerg rush 
no google 
pra você ver o que acontece... 
achei incrível!



2 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Cara amiga Margoh, nosso existir ainda é um tatear no escuro; ainda sabemos quase nada de nós mesmos.
Um abração.

Carmem Grinheiro disse...

É um navegar por águas sempre desconhecidas, mesmo quando julgamos já conhecê-las: vem uma rajada de vento, uma onda mais alta, ou um redemoinho e de repente, perde-se o fôlego, a braçada cansa-se, a respiração vira deglutição e eis que vamos ao fundo...

*é meu desejo que esteja bem, navegando em suas águas. Que elas ergam uma onda de água límpida, que a leve num gostoso boiar ,)

bj amg