domingo, 26 de junho de 2016

ao mesmo tempo irrompendo coisas lindas....



por hoje ser domingo, falemos de ternura, do sagaz exercício de um poder tão firme e silencioso como só houve no tempo mais antigo. apaguemos  o sorrindo com ironia e cultivemos a doçura no fundo de um alto segredo que os restitui do futuro. falemos do desejo, de doces mãos irreprimíveis. sobre os meses, sonhando nas últimas chuvas, os sonhos encontram seu inocente jeito de durar contra a boca delicada rodeada em cima pela treva das palavras. digamos que descobrimos amoras, a corrente oculta do gosto, o entusiasmo do mundo. descobrimos nossos corpos que se protegem e sorvem, e o silêncio admirável das fontes. pensamentos no espaço sideral de alguma coisa celeste como fogo exemplar. digamos que dormimos agarrados, e vemos as fadas um pouco inclinadas para nós como estreitas e erguidas flores azuis, e temos memória e absorvente melancolia e atenção às portas sobre a subespécie dos dias gris.... 
(...)





4 comentários:

Larissa Santos disse...

Fascinante texto. Adorei

Gostava de receber a tua visita.

Aqui»» http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

Bjos- Domingo feliz

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...

Parodiando Cecília Meireles... a ternura, a gentileza e o carinho desmancham redes de intriga, desmancham nós cegos e maldosos e unem pessoas...
Estamos no tempo da delicadeza.
Adoro vir aqui e ler tuas linhas...intensa é o que você é!
Beijos desse humilde admirador!!

Nuno Filipe disse...

Texto intenso em linhas ténuas de ternura. Serão alcançáveis?

.
Deixo cumprimentos

Suzete Brainer disse...

Viver no delicado bordado de sentires e a lucidez
ao contato profundo de outros sentires, mas
sempre o tempero da loucura doce!...

beijo, Poetisa!