terça-feira, 27 de agosto de 2013

Nas frestas da cidade pairam estórias em aberto






ainda sentimos  um dia mágico ?  aquele onde o capturado é fugidio, o inventado foge e flui, por entre as malhas matizadas das letras, dos pensamentos, das emoções etéreas?  acredito que quando os limites se transformam em limiares, a mágica acontece para todos os possíveis, aquém e além do explicável , do lógico, do razoável.  um dia assim o cheiro vem inteiro, quente, mais cheio agora do  que antes , quando só o sonho enchia os pensamentos até a boca. 0 que todo  sentido  anseia é a chegada do  inesperado.
.














.
.
´desejo a máquina
do tempo para que não
 haja o havido
e eu recomece
misericordiosamente´
- Adélia Prado

9 comentários:

Dorli disse...

Oi querida
Belos escritos de Adélia
Um lindo dia pra você, eu vou me enrolar no edredom, pois está muito frio.
Beijos
Lua Singular

✿ chica disse...

LINDO,Lindo e...lindo! bjs,chica

Milene Lima disse...

Saudade de vir aqui e respirar a sua poesia. Tão lindo é como você sente, meu bem.

Também queria, feito tu e Adélia, recomeçar misericordiosamente, ainda que pra fazer tudo errado novamente.

Beijo!

Cidália Ferreira disse...

Boa noite Margoh

Maravilhoso... Gostei de ler
beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Rovênia disse...

E como essa máquina maravilhosamente sonhada não existe, nem existirá, temos uma chance para que dê tudo certo. A probabilidade é grande! E um ser maior torce por todos nós! :)

Benno disse...

ante a real possibilidade do recomeço não há como negar a máquina do tempo

Pedro Coimbra disse...

Poder recomeçar e emendar erros?
Talvez.
Mas, os erros cometidos ensinam, são lições de vida.

Yasmine Lemos disse...

Não voltaria mais se entrasse nessa máquina.beijo

Luis Eme disse...

sim.

abraço Margoh